sábado, 26 de dezembro de 2009

FALSA DEPRESSÃO DE FINAL DE ANO

Natal e ano novo são festas extremamentes consumistas em todos os sentidos. As pessoas lotam o comércio para comprar o que precisam ou não. Importante é consumir, comer, beber e amar. Viajando se possível. Um frenesi desenfreado impulsionado pela mídia: Filmes, novelas, programas apelativos, tudo gira em torno dessa idéia de "espirito natalino", que milagres acontecerão. Filhos e pais se reconciliarão, namorados, amantes ou esposos. Tudo que se esperou durante todo ano, tem a partir da véspera do natal, sete dias para que se realize. Frustração e tristeza na certa.
Para nós psicóticos é um perigo esta época de expectativas "forçadas', mais do que geralmente fazemos precisamos está atentos a automonitoração. Não ganhar a megasena acumulada da virada, não conhecer nem o cavalo branco do príncipe encantado, não conseguir falar com aquele (a) ex porque o telefone não atende, brigar de novo com a família em pleno natal podem ser coisas prováveis de acontecer. A medicação continua existindo, uns sites legais e sua capacidade de reverter situações desagradáveis a seu favor. É só mais um final de ano, não se cobre nada. Fique até infeliz, se realmente houver acontecimentos ruins mesmo, importante é não se deixar envolver pelo "espirito melancólico" desta época, segure a onda, não fique doente.
É minha opinião, mas cada um é cada um. 2010 DEZ para todos.

domingo, 20 de dezembro de 2009

SOLIDARIEDADE NA CRISE

Ela é jovem, menos de trinta, alta, um porte altivo, afetado pela aparência "robótica" de quem está cheia de medicação. Me liga, vou vê-la. Somos recém-conhecidas, deixo-me levar pela intuição, pelas lembranças das minhas próprias crises agudas, para tentar entendê-la e falar o necessário, que de maneira prática a ajude, a saber o que está acontecendo com ela. Tem curso superior, inteligente, rápida no raciocínio, mas imagino bem tumultuado seu julgamento de realidade. Pergunta várias vezes como fiquei boa. Não minto. Digo-lhe que no momento que conversamos estou numa crise moderada. Que apenas aprendi estratégias pessoais de convivência com o transtorno, não falo em controle, mas de aceitação de limites impostos pelos sintomas e muita persistência de busca de tratamentos, psicoterapias, terapias que me ajude a minorá-los, que façam com que fiquem em remissão por algum tempo.
Olha para mim fixo. Os olhos apenas ansiosos, não tem ainda aquela dilatação característica das crise agudas. Tomamos sorvete juntas, fez o convite e pagou a conta. Se mantêm independente e não chora. Mas é visível o desespero e sofrimento com as insônias, os pensamentos descordenados. Ela e sua família já percorreram vários serviços tradicionais, substitutivos e integrativos de Teresina. Bravos.
Liga para mim no outro dia, várias vezes, pensa que vai morrer, reclama que o médico em mais uma consulta de urgência manteve o antipsicótico e não receitou o ansiolítico. Me pede um. Me pegou, nunca vivi uma situação assim. Digo que ela tem sorte de ter a chance de fazer uma medicação sem ansiolítico que causa dependência, problemas com a memória. Que resista, insista mais alguns dias com a medicação e dei todas minhas receitas de vida zen. Busca de serenidade, de atitudes que acalmem a mente, não podemos esperar que o alívio de certos sintomas venham, apenas de algum remédio. Não me parece convencida. Desliga falando em se internar no HAA. Não tem vagas, felizmente.
E depois ela me deixou uma ótima impressão que sobreviverá como uma heroina de guerra.

RESUMO DA NOVELA: Melhor que um ansiolítico

Roberto tenta matar Gustavo e Alcino

Verônica explica para Roberto seu plano contra Gustavo e Alcino. Um homem liga para Alcino, fala que está com Débora e exige que ele vá encontrá-lo. Em seguida, o homem liga para Gustavo e combina um encontro com ele no mesmo lugar que marcou com Alcino. Fiasco vê Sólon e Gilvânia namorando no Esplêndido da Glória e avisa Taís, que encontra os dois juntos. Verônica e Débora voltam para casa. Gustavo e Alcino chegam ao local e Roberto coloca fogo no lugar.


Saber o que aconteceria no capítulo da segunda-feira era minha única preocupação ao dormir. Sorri tranquila e adormeci. Não é bobagem como parece. Depois de algumas semanas sintomática, mesmo usando medicação e fazendo algumas integrativas, o estresse cotidiano deixou-me bem disfuncional, não consegui mais participar da caminhada orientada, "cismei" com uma colega, que só pensar em vê-la me dar muita raiva. Pode? Preconceito com gente normal, "tá boa?". Abandonei o inglês, não por preguiça, realmente não consegui mais, má concentração para leitura, raciocínio cognitivo extremamente comprometido. Mas o verdadeiro fator estressor no momento é minha luta para voltar ao trabalho. O defensor público desapareceu. Reuni "meus restos de saúde" e fui a luta sozinha. Infelizmente, mesmo sendo uma servidora concursada, precisei falar com várias amigas da época de universidade que hoje ocupam cargo de destaque no governo e amanhã (segunda), passarei por mais constrangimentos, mas me prometeram minha volta ao trabalho, numa condição especial que escolhi. Torçamos.



sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

NOVOS AMIGOS DO NINHO

As rodas de autocuidado têm trazido novos amigos ao Ninho. Gostaria de dar boas vindas bem calorosas, com bastante coisa positiva, carinho e acolhimento. Para aqueles que chegam agora e acessam o blog, essa mistura de depoimentos pessoais com militância política, pode parecer um tanto confuso e até afastem aqueles que querem sua saúde , mas não desejam se denunciarem. Tento compreender:estigma, preconceito e discriminação ainda são bastante perversos. Em remissão, o transtorno mental é uma doença invisível. Mas por outro lado, quando alguns assumem publicamente e vivem com relativa qualidade de vida, sem serem reféns dos sintomas, são bravos na busca do tratamento, do ficar bem apesar de... podemos está contribuindo para a queda paulatina do estigma contra as pessoas que vivem com transtornos mentais. Podemos está na luta pelo fortalecimento da oferta de melhores serviços, etc.
Precisamos apenas encontrar nossa identidade dentro da diversidade de posições no mundo. Somos pessoas, não somos "a doença". Um abraço muito carinhoso para quem conheceu o Ninho hoje, infelizmente não é fácil uma crise, mas passa.

O QUE É UMA URGÊNCIA PSIQUIÁTRICA?

Relembrando os fatos:
Quem acompanha o blog deve lembrar que na primeira semana de agosto meu psiquiatra adoeceu e somente no consultório fui avisada, ele não havia atendido na última semana de julho por conta das férias. Então recorri a urgência do HAA, porque não existe outra na cidade ,pública ou privada que se encontre um psiquiatra de plantão.
O plantonista não me atendeu no consultório, foi grosseiro e que só me daria uma medicação de urgência (diazepan injetàvel), mesmo eu me identificando com ex - estagiária daquele serviço. Precisei recorrer a um clínico geral em um pronto-socorro particular e paguei oitenta reais pela consulta, conseguindo minhas receitas da medicação de manutenção. Por sinal, só atenção do médico me fez melhorar.

Dia 09 de setembro, depois de ouvir várias pessoas, pacientes, funcionários do HAA falarem do curriculum de grosserias desse psiquiatra (psiquiatra que atua em CAPS também), resolvi denunciá-lo ao ministério público, não antes de falar com a diretora do HAA e registrar o caso na ouvidoria deles. Reproduzo fragmentos do oficio resposta a Cláudia Seabra, do Ministério Público da direção técnica-assistencial do hospital na pessoa da psiquiatra Darcy Passos da Silva:
"O correto seria a paciente não ter deixado faltar sua medicação por dez dias. Ter providenciado sua consulta com o profissional que a acompanha antes desse término. Porém, ocorrendo algum impedimento para a realização desse procedimento (afastamento do profissional por doença, férias ou curso de capacitação), é necessário que o paciente procure um serviço ambulatorial de psiquiatria, onde será aberto um prontuário e realizada uma consulta médica na qual o paciente relata toda sua história psiquiátrica. Sendo possível então para o médico que realiza essa consulta, mesmo não sendo o seu médico assistente, prescreve o tratamento adequado, pois pode compreender toda a evolução da patologia até o quadro atual. Procedimento impossível de ser realizado em pronto-socorro psiquiátrico devido a dinâmica do atendimento, já descrito acima.
No caso da Sª Edileuza solicitou-se ao médico plantonista Dr. Erivan Eulálio que informe com mais urbanidade aos pacientes que buscam atendimento no setor de urgência/emergência do HAA, os procedimentos que são realizados e os que não podem se realizados nesse setor."
O ofício é datado de 18 de setembro, desde então fui procurar uma consulta no ambulatório do Hospital do Dirceu I. Sem encaminhamento, a ACS da minha área há anos não entra na minha casa. Tenho um parente que trabalha lá, após umas três semanas consigo falar com a psiquiatra, mostrei um atestado e as caixinhas da medicação. Ela me falou que como era a primeira consulta, repetiria a medicação, três caixas de cada medicação de 30 c0mprimidos cada, tomando um por dia: três meses, fiquei feliz. Só que não havia na farmácia do hospital. Bom também é levar já o encaminhamento para a próxima consulta. Hoje fui ao ambulatório do
do HAA e perguntei se conseguisse marcar uma consulta hoje, para que dia seria? Para meu médico, somente para o dia 25 de fevereiro. Setenta e dois dias ou daqui há mais de dois meses. Então fui conversar com doutora Darcy, que tenho em conta de profissional comprometida e negociável, para que a urgência do HAA seja repensada, que não sirva só para internar ou dar medicação de urgência com recomendação para ambulatório, que funciona somente a base da indicação medicamentosa. Sua fala como, como a das enfermeiras da atenção básica é culpabilizar o número insuficiente de CAPS ou de como os que existem não funcionam a contento. E nesse fogo cruzado, sobra bala perdida para nós usuários. E o médico "cavalo batizado" como dizem os mais simples? "Uma bandinha do comprimido é minha, outra é sua doutor", me disse a Rosa, usuária participante da Ãncora, naquele jeitão de gente esperta, negociante de artezanato ou qualquer outra coisa que lhe caia a mão.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

FELICIDADE ANTIMANICOMIAL!!!

Hoje pela manhã saio comentando com Edvirgens, minha auxiliar de serviços domésticos e "cuidadora" que resolveria no centro administrativo apenas coisas pessoais. Nada de saúde mental. Desci do ônibus na Barão de Gurguéia e ouvi uma voz familiar chamar meu nome. Nossa! Quase que não reconheço a Eliete, mais magra, de roupa esportiva com uma cadelinha de madame, tosada, presa numa guia bem elegante. É Cristal, que exige uma caminhada matinal todos os dias, senão fica estressada, comenta Eliete.
A Eliete é moradora de uma residência terapêutica, ex moradora do Hospital Areolino de Abreu. Nos abraçamos, fiquei emocionada. Lá vou eu conhecer "sua casa". Linda, confortável, melhor que a minha, fica na rua 13 de maio, bairro vermelha. A residência é coordenada pela Fátima Alves, assistente social vocacionada e comprometida. Parabéns Fátima e melhoras para a saúde.
Nesta residência moram seis pessoas, três mulheres e três homens, alguns me reconhecem, encontro lá Zé Rosa, me emociono outra vez. O Zé Rosa em 2001, antes de se falar em reforma de verdade por aqui, ele tinha um quarto no HAA e sempre entrava no Serviço Social pedindo alguns trocados para completar o dinheiro para comprar pilhas de um rádio. Muito organizado, asseado. Perguntava a ele se não tinha vontade de morar numa casa, cuidar de umas plantas, possuir gaiolas com passarinhos. Acho que ele me achava "louca", quando me respondia com um olhar daqueles que damos quando acreditamos que uma coisa é absurdamente impossível. Pois é. Lá está o Zé morando numa casa, bem integrado, continua organizado e os companheiros me disseram guardando dinheiro.
A Eliete preocupada com a possível chegada de mais uma moradora, acalmo o grupo e peço solidariedade, é mais uma que vai sair do hospital, deitar numa cama com lençol e usar um perfume só seu, passar um creme na pele e poder passear na praça com uma cachorrinha. Coisas que eles já podem fazer e é melhor que ser prisioneiro dentro do hospital psiquiátrico.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

NADA DE NOVO NO FRONT

Um dos melhores livros que li na adolescência, presente da hoje e sempre culta jornalista Ana Kelma Gallas, o livro publicado em 1929 fala da primeira guerra mundial, onde o próprio autor foi combatente, o alemão Erich Maria Remarque. Seu protagonista aos vinte anos já era veterano de guerra e morre nos últimos dias do conflito atingido por um estilhaço. Dia tão calmo que se anunciava: NADA DE NOVO NO FRONT. Pena para quem ainda não leu, já contei o final da história, mas mesmo assim valhe a pena a leitura.


ESTRATÉGIA DE SOBREVIVÊNCIA EM CRISE:
- Troquei o msn pela Malhação com o lindo filho do Fábio Junior, que me lembra o seriado Ciranda, cirandinha (é a nova!) e a novela das seis com Marcos Palmeiras e a Camila Pitanga ,os vilões bonitões e uma turma da vila muito engraçada. Parece aqueles enredos da Janete Clair. E a temática social é a surdez de um menino que toca piano. Nossa, tenho filho surdo e tal. Delícia de "atividade prazeirosa" estou resgatando, há tempos não via novelas.
- Hoje comecei uma nova integrativa, radiestesia, com uma linda moça maranhense, estudante de Terapias Naturistas. Preciso de energias para as lutas ou não morrer de indignação.
- Amanhã vou as compras de natal, tenho várias confraternizações a 12,00 a contribuição. Estou de atestado médico e não farei os últimos exames de inglês. Talvez perda o módulo. Pago ano que vem, sem frustração.
Pois é... vida boa!
De: LOUCA PELA VIDA lima (madileuzazem@hotmail.com)
Enviada: sábado, 12 de dezembro de 2009 0:15:56
Para: grupo.matizes@yahoo.com.br
Obrigada pessoal pelo apoio. Desde 1997 que vou a seminários, fóruns, cursos e outros eventos sem ser convidada falando de saúde mental, sempre causando estranheza. Decidi que
agora só irei a um evento convidada oficialmente como socióloga e assistente social que sou, que pesquisei, publiquei sobre saúde mental, conheço a política e diariamente acompanho usuários da periferia ou de bom poder aquisitivo. Desde 1997 tento conquistar a adesão dos mais diferentes grupos para a causa: movimento espirita kardecista, movimento Biodança, de mulheres, universidade, agora estou investindo nos terapeutas naturistas. Não é possível que só eu perceba essa necessidade, enquanto as estatísticas da OMS dizem que em 20030 ou antes, a depressão será mais comum que as doenças coronárias e o cancro, no Brasil 12% da população já faz uso dos serviços psiquiátricos. Teresina é uma das capitais brasileiras que mais ocorrem suicídios. Cansei. Fiz minha parte, repudiei, denunciei, berrei. Alguns normais são inegociáveis. Mesmo louco pós -graduado não tem voz. Estes atrapalham muito a vida dos loucos.
Abraços, valeu mesmo!
Edileuza
De: Grupo Matizes (grupo.matizes@yahoo.com.br)
Enviada: sexta-feira, 11 de dezembro de 2009 18:34:02
Para: LOUCA PELA VIDA lima (madileuzazem@hotmail.com)
Boa tarde Edileuza,
Muito pertinente as considerações que vc faz acerca da Saúde Mental em nosso Estado. A oficina que você propõe pode ser um passo para superação de uma visão equivocada e preconceituosa das pessoas com Transtorno mental. Conte conosco nesta caminhada para uma sociedade inclusiva e que respeita as DIFERENÇAS (Sexuais, culturais, sociais, regionais, etnicas, raciais, de classe, de deficiência física ou mental, de gênero).
abraços: Herbert Medeiros, Carmen, Marinalva, Cleuton e Mazé (Grupo Matizes)
Caro amigo Narciso, coordenador da EP ( Educação permanente)
Garanta a oficina: Educação Permanente em Saúde Mental para a saúde básica. Com o movimento Âncora na pessoa de Marta Evelin trabalhando a temática da clínica ampliada e eu Edileuza Lima da Rede Amigo no Ninho com a Cidadania da Pessoa com transtorno mental pós lei 10.216/01. Terminaremos a oficina construindo um instrumento de notificação no território dos transtornos mentais, nosso. Onde qualquer equipe de Estratégia da Familia saberá aplicar. Nos garanta esse espaço, nos inclua, precisamos muito nesse momento crucial de solidificação da reforma psiquiátrica. Não seja mais um entrave. A reforma tem inimigos demais nesse Estado.
Abraço, contando com sua sensibilidade e compreensão.
Edileuza
De: Marta Evelin de Carvalho Bona (loucavida.pi@ig.com.br)
Enviada: sexta-feira, 11 de dezembro de 2009 14:53:47
Para: maria edileuza da conceiçao lima lima (madileuzazem@hotmail.com)
Oi, Edileuza
Que bom receber teus e-mails e saber que tem mais alguém gritando e berrando pela saúde mental.
Recebi um e-mail de uma aluna sobre um seminário de educação permanente e não é de se estranhar que nada consta na programação sobre saúde mental, em pleno fechamento do Meduna.Estou tentando mobilizar algumas pessoas para comparecerem a este evento e defender a inclusão da saúde mental neste processo. Infelizmente estou trabalhando nestes dias em Água Branca e so vou ser liberada na quinta a tarde e na quarta a noite. Vamos vê se nos encontramos por lá.
Veja a programação abaixo:
Um grande abraço e muita luta
Marta Evelin
Date: Fri, 11 Dec 2009 12:39:25 -0200
Subject: Re: FW: MOÇÃO DE REPÚDIO CONTRA O SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE
From: narcizochagas@gmail.com
To: amigononinho@hotmail.com

Querida Edileuza,
Entendo os processos de exclusão de muitos sujeitos sociais neste Estado e no País, no entanto o movimento que estamos fazendo aqui na SESAPI no Ministério da Saúde além de outras áreas é de compor uma política pública de saúde que incorpore todos e todas o que nem sempre é possível de imediato, seja por razões de limitação de pessoas e mesmo institucional.
Mas não veja a não realização de uma oficiina de saúde mental, como razão de repúdio mas de diálogo inclusive com a area técnicas responsável, nós enquanto EP estamos dialogando com todos os que também se movimentam nessa direção, inlcuimos em nosso plano para 2010, várias possibilidades, acho precepitado atitudes de auto-exclusão, nós estamos juntos com os mesmos interesses de cuidar da pessoas.

Narcizo

MOÇÃO DE REPÚDIO AO SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Caros companheiros e companheiras dos movimentos sociais do Piauí
A Educação Permanente em saúde da SESAPI e a Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde-ANEPS no ínicio do ano de 2008 promoveram o curso A Educação Popular e a capacitação de movimentos sociais em defesa do SUS, curso em vários módulos aos sábados na UFPI. Surgiu daí o blog: http://emdefesadosus.blogspot.com
A fala do movimento de usuários ( pessoas que fazem uso dos serviços psiquiátricos) em saúde mental causou estranheza. Sim, nós existimos e fazemos muita coisa com nossas muitas limitações. Nossa moção de repúdio é não termos sido contemplados com uma oficina específica, extremamente necessária nesse momento que com muita luta a gerência de saúde mental (SESAPI) e FMS promovem cursos de formação em saúde mental para atenção básica. O agente de saúde (ACS)comunitário não entra no terreiro porque tem medo, pelo mesmo motivo na casa da pessoa que vive com transtorno mental e ainda corremos o risco de sermos "denunciados" em uma crise aguda e o acs mobilizar o SAMU e nos internar no Hospital Areolino de Abreu/Meduna porque a referência ainda é essa. As equipes do Programa Estratégia da Familia culpam os CAPS e CRAS de não prestarem ajuda, não darem a contrareferência. Não há um instrumento formal de notificação no território de pessoas acometidas de transtorno mental e enfermeiros que acham que bipolaridade e esquizofrenia são doenças mentais menos graves ou que o cuidado com a hanseníase é mais importante que o cuidado com a pessoa acometida de um sofrimento psíquico.Sugiro uma oficina: Educação permanente em saúde mental para a atenção básica.
Muito triste, acredito que o estigma em relação a saúde mental não se modifique porque nestes espaços privilegiados de discussão em saúde sejamos discriminados dessa forma.
Amigo no Ninho - Defendendo o SUS humanizado para todos, até os loucos.
Edileuza

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Lei institui sanções contra discriminação a pessoas com transtornos mentais em Alagoas

"A lei vem fortalecer a Reforma Psiquiátrica no Brasil (Lei 10.216/01)", afirma gerente do Núcleo de Saúde Mental da Secretaria de Estado da Saúde

Alagoas em Tempo Real - AL - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - 04/12/2009

O governador Teotonio Vilela Filho sancionou a Lei nº 7.128, que estabelece aplicação de sanções a pessoas físicas e jurídicas que, por qualquer meio ou forma, praticarem atos de discriminação em relação às pessoas acometidas de transtorno mental. A Lei foi publicada nesta terça-feira (3), no Diário Oficial do Estado.

De acordo com a publicação, são considerados atos de discriminação o impedimento do ingresso ou permanência de pessoas em órgãos, entidades, estabelecimentos ou quaisquer outros locais públicos ou privados; fazer referência ou comentários depreciativos sobre a condição de portador de transtorno mental ou recorrer a qualquer outra forma de manifestação que possa causar-lhe constrangimentos ou embaraço ou aos seus familiares; e também recusar, impedir ou retardar o atendimento, de qualquer natureza, à pessoa acometida de transtorno mental.

“A lei vem fortalecer a Reforma Psiquiátrica no Brasil (Lei 10.216/01), especialmente em Alagoas e também o processo de inclusão, ressocialização e humanização na sociedade”, ressaltou Berto Gonçalo, gerente do Núcleo de Saúde Mental da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

A infração ao estabelecido na lei sujeitará o infrator às seguintes sanções: no caso de pessoas físicas, a multa será no valor de R$ 1 mil; para pessoas jurídicas de direito privado poderá ocorrer: advertência, multa de R$ 5 mil, suspensão do alvará de funcionamento por trinta dias e cassação do alvará na hipótese de reincidência.

O artigo 4º da Lei informa que a infração ao disposto na norma, quando cometida por agentes, empregados ou dirigentes de órgãos e entidades do Estado de Alagoas, implica na aplicação das sanções disciplinares prevista na legislação a que estejam submetidos.

Os valores arrecadados com as multas serão destinados ao Fundo Estadual de Saúde, devendo ser aplicados, preferencialmente, em políticas de atenção à saúde mental.

Do blog muito interessante de Vanessa Marsden, psiquiatra. Psiquiatria e Toxicodependência

http://psiquiatriaetoxicodependencia.blogspot.com/

Coloquei aqui porque há muito falo sobre os direitos de pessoas que vivem com transtornos mentais aqui no Piauí e são constantemente agredidas, a palavra é essa. Precisam esconder a todo custo que têm uma doença mental para escapar da discriminação de pessoas que se dizem normais. Hoje tenho um encontro com meu defensor público ( todos deveriam recorrer a promotoria pública, afinal nossos impostos servem para pagar seus bons salários e encher cuecas e meias de político corrupto), há três meses, desde nove de setembro, estou na justiça para voltar a trabalhar. Algumas normais escreveram que eu deveria deixar a sala de aula por ser bipolar, o secretário de Educação, Antônio José Medeiros, meu ex professor ,assinou embaixo e pronto. Sofri várias humilhações públicas na escola e nas gerências de educação.

A delegacia das minorias não resolveu, a lei que protege os PPDs, pessoas com deficiências não nos cita. Estou pedindo um trabalho protegido de função de nível superior, não aceito ao contrário, tenho duas graduações e especialização. O defensor é Igor Sampaio, da coordenação dos Direitos Humanos. Vamos ver se louco pode reinvindicar esses direitos humanos.




segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

EM DEFESA DA INTERDISCIPLINARIDADE

É realmente um absurdo essa Lei do Ato Médico. Há alguns anos venho fazendo a minha parte, defendendo a atuação de profissioanis não médicos, ou seja, PROFISSIONAIS DE SAÚDE, de forma multi, inter e transdisciplinar, entendendo que cada um faz sua parte e, como não poderia deixar de ser, existem sim áreas de superposição, e que não há mal nenhum se duas ou mais categorias profisisonais fizerem a mesma coisa em algumas situações, desde que TODOS estejam capacitados para tal. Não é a categoria que legitima o fazer, mas o saber.
Num país em que milhões de brasileiros não têm acesso a nenhum médico, como restringir a atuação dos outros profissionais de saúde devido à reserva de mercado? Então a saúde é apenas um terreno comercial disputado entre setores que querem para si o lucro? Ou o médico é um ser superior que, por natureza, tem o direito de subjugar todos os outros profissionais que, como ele, cursaram nível superior e muitas vezes têm mestrado, doutorado, etc.?
Como médica me envergonho de minha classe neste momento, e penso que este comportamento é de uma minoria de médicos passados, com suas clínicas particulares familiares e seus saberes antigos, de velhas e cristalizadas corporações acadêmicas, de saberes rotos e ultrapassados defendendo como feras seu direito à inércia intelectual e à manutenção, a qualquer preço, de seus "staus quo".
A classe médica que eu conheço, de Saúde Pública, médico de povo e de pobre, não pensa assim; trabalha diuturnamente lado a lado com os enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, assistentes sociais e todos os outros profissioanais que, juntos, formam um mesmo time, todos do mesmo lado do campo. A proposta é que joguemos contra o time inimigo, o da falta de condições de trabalho, da injustiça do sistema de saúde e da falta de condições sociais dignas para que o ser humano goze de saúde plena.
Guida Silva
Médica de Saúde Pública
SMSDC/Rio de Janeiro

Email da Cristina Isabel, assistente social em Recife
retirado de comunições em grupos do yahoo.


domingo, 6 de dezembro de 2009

LEMBRANÇAS BOAS!!!


Nilo Neto, o de camiseta azul e Carrano de camiseta preta. Grandes pessoas, usuários que passaram por aqui contribuindo com a luta antimanicomial.

GESTÃO AUTÔNOMA DA MEDICAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

No momento bastante agitado e produtivo na área de formação em saúde mental para a reforma psiquiátrica antimanicomial, o psiquiatra de Campinas, hoje radicado no Rio Grande do Norte, trouxe em um dos módulos instigante e novíssimo tema por aqui, para tratar com os profissionais em treinamento no curso de qualificação em saúde mental da SESAPI, a gestão autônoma da medicação. O que é isso? Estampava-se em alguns rostos.
Marcelo Kimati colocou duas questões sobre o assunto: Por que é importante promover autonomia na utilização de medicação? Que dispositivos um serviço pode utilizar para desenvolver programas de autonomia ?
O que ele não falou ( não lembro) é que o Guia de Acompanhamento para Profissionais: pontos de referência para uma gestão autônoma da medicação em saúde mental, foi originado no seio dos movimentos de defesa dos direitos em saúde mental, serviços alternativos e usuários do Quebec/ Canadá, imagino que seja algo semelhante ao movimento da luta antimanicomial com seus diversos atores no caso brasileiro, movimento de usuários, trabalhadores e academia. Kimati não ressaltou a devida importância desse fato.
Nossos usuários do serviço psiquiátrico da rede SUS que imaginamos no senso comum, pobres e mais precariamente desinformados tanto quanto o usuário do consultório particular/conveniado na sua maioria não sabem o que usam (antipsicótico, estabilizador do humor, ansiolítico, etc) e qual seu diagnóstico, não reconhecem a substância genérica da sua medicação ou seus possíveis efeitos colaterais, mesmo que os sintam. Os profissionais (não só o psiquiatra) não têm a cultura da mera, esclarecida e necessária informação sobre a atuação da medicação no organismo da pessoa, de como uma substãncia como o ácido valpróico (depakote/depakene) pode causar toxidade no fígado, hepatite, pancreatite e que para prevenir ou controlar essas possibilidade é recomendável fazer exames de sangue inicial para contagem dos glóbulos sanguineos. Que serviço perde tempo com isso? Para quem interessa essa informação? É uma informação manipulável positivamente por um usuário modestamente esclarecido?
Já ouvi de uma professora com mestrado em educação, que rivotril é um "remedinho mágico", ela é voluntária em um atendimento onde há também um clínico geral que prescreve a dosagem inicial de clonazepan de 2,5. Observei que todas as pessoas esclarecidas desse recurso de saúde na comunidade acreditam que rivotril é um remedinho fraco, para pessoas não doentes mentais, no máximo estressadas.
No ambulatório do hospital do Dirceu I as pessoas saem da consulta com a psiquiatra e não sabem nem preencher os dados pessoais da receita, que a médica não preenche e nem o servidor da farmácia quer preencher e passa "carão" nas pessoas. Semana passada estive por lá, sentadinha preenchendo receitas de medicações inexistentes na fármacia do hospital, só havia haloperidol, numa dosagem que não era a da maioria dos consultados daquela manhã. Um dos questionamento de kimati aos profissionais: Que propostas de intervenção de promoção de autonomia da gestão de medicamentos nossos serviços são capazes de promover? Eu acrescento, diante da realidade de nossos usuários? Há uma familiar no nosso grupo de apoio, senhora informada, que tritura a medicação e coloca na comida do filho esquizofrênico. Descobri nesse curso que há uma medicação de depósito. Injetável, que o usuário pode fazer uso, ficando a medicação fazendo efeito por determinado tempo. Algo parecido com os anticoncepcionais injetáveis. Informei a mãe. Daí que ela converse com um psiquiatra em determinado serviço e ele o faça será uma batalha. Nas nossas oficinas de sensibilização as mais variadas práticas que os usuários e familiares fazem em relação ao tema, chamamos de "manejo popular da medicação". Existe um conhecimento popular de se usar, suspender, diminuir a dosagem "quebrando as bandinhas" dos comprimidos, etc. Os serviços de saúde em geral, agem como templos, seus conhecimentos são sagrados e inacessíveis aos leigos. Quem usa medicação psicofármaca por muito tempo e sente seus efeitos positivos e negativos em formas colaterais vai aprendendo a manejar, independente do serviço médico. Só precisamos da receita azul destes remédios "descontrolados".

LOUCOS POR SAÚDE: VIVENCIANDO A SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA,

PROGRAMAÇÃO: DIA 11 DE DEZEMBRO

MANHÃ


ABERTURA: APRESENTAÇÃO DO GRUPO DE USUÁRIOS DO CAPS LESTE – TERESINA

MESA REDONDA: 08:30 – 10:00

08:30 BREVE HISTÓRICO SOBRE A POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL (Emanoel-Professor de Psicologia UESPI)

09:00 SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: CONSOLIDANDO A REDE (Representante da gerência de SM da SESAPI)

09:30 – 10:00 DEBATE

10:00 – 10:15 LANCHE

MESA REDONDA: 10:15 – 12:00

10:15 – 10:45 RELATO DE EXPERIÊNCIA: O OLHAR DA EF SOBRE A SAÚDE MENTAL NA AB (ACS - Ozias e Enfermeira Regilda – Planalto Uruguai)

10:45 – 11:15 A POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL NO MUNICÍPIO DE TERESINA –

Amparo Oliveira – Coordenadora de Saúde Mental da FMS

DISCUSSÃO 11:15 – 12:00

INTERVALO (ALMOÇO)

TARDE

ABERTURA:

14:30 – 15:00 RELATO DE EXPERIÊNCIA: REPRESENTANTE DO AREOLINO DE ABREU

15:00 – 15:30 (DES)MEDICALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

Francisco Passos – diretor da MDER

15:30 – 16:00 – REPRESENTANTE DO MOVIMENTO ÂNCORA

16:00 – 17:00 DISCUSSÃO

FECHAMENTO E AVALIAÇÃO

REALIZAÇÃO:


Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade da UESPI com apoio da FMS, SESAPI,UFPI,FACIME (UESPI)
Obrigada pelo email da Juciléia, psicóloga

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

OFICINA DE CONTROLE SOCIAL

LOCAL: FACIME
DIA:03/11/09
HORA;08:OO - CREDENCIAMENTO
INÍCIO:08;30
REALIZAÇÃO ; CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

Email da queridíssima Socorro Freitas, da Rede Nacional de Pessoas vivendo com HIV/AIDS e Cidadãs Positivas.
Não posso comparecer, estou sintomática. Tenho terapia naturista pela manhã. Agradeço desde já a presença de Amigos do Ninho por lá. Estes espaços de discussão são importantes para o combate permanente ao estigma, preconceito e desconhecimentos sobre saúde mental em outros espaços da saúde. Somos poucos "intelectuais orgânicos" assumidos e defensores da causa antimanicomial e luta pela implantação e qualidade dos serviços substitutivos.

sábado, 21 de novembro de 2009

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE MENTAL

NOTICIAS BOAS 2

Soube "sorrateiramente" que já aconteceu a seleção de pessoal para trabalhar nos dois CAPS que abrirão até final de dezembro. Além do critério da indicação, parece-me que não houve outro e é assim que o povo vai caindo de paraquedas no serviço, só para depois receberem capacitação. Pelo menos ninguém me falou sobre análise curricular. Além de Amparo Oliveira (histórica) não conheço mais ninguém da saúde mental da FMS, não há uma coordenação, uma gerência ou nada que corresponda. Quem souber mais do que eu, por favor me informe.
A notícia boa é que estamos tentando fazer a ponte entre FMS e instituições que promovem práticas integrativas e complementares aqui em Teresina, assim sendo, se a respeitada técnica, competente e mulher de ação citada acima, não fazer "ouvido de mercador" ou agir com aquele típico comportamento dos normais, que nós loucos tão bem conhecemos, fingem que nos ouvem, fazem todas as promessas do mundo para não nos contrariarem e depois acham que não temos memória. Se assim não acontecer e muita gente boa que ler este blog me ajudar, pode ser que o CAPS Sudeste, que ficará no Dirceu I, já com casa alugada, seus usuários possam ser atendidos pelos terapeutas naturistas do Espaço Alternativo Casa São Domingos que tem endereço algumas quadras do mesmo bairro do futuro CAPS.
As integrativas também não curam doença mental, e agem parecido com o ensaio-erro da prescição da medicação, tem que se ir tentando, dependendo muito de indivíduo para indivíduo. Mas podem auxiliar muito no alívio de alguns sintomas.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

NOTÍCIAS BOAS!

Piauienses ganham prêmios no concurso Loucos pela Diversidade -2009, edição Austregésilo Carrano promovido com a parceria do ministério da Saúde, representado pela Fundação Osvaldo Cruz (Fio - cruz) e Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental - LAPS. A Âncora , associação de usuários pelo conjunto de seu trabalho leva o prêmio de R$ 15 mil e individualmente o artista plástico Valter Belo de Sousa, pessoa que vive com esquizofrenia, ganha R$ 7,5 mil por sua pintura. A premiação acontece no Rio de Janeiro, dia 25 deste.

sábado, 14 de novembro de 2009

“Fortalecendo a construção de práticas antimanicomiais nos serviços substitutivos”

Esse foi o tema do II encontro piauiense da luta antimanicomial de 2008. Por que será que precisamos está falando do combate práticas antimanicomiais dentro dos serviços da Reforma Psiquiátrica?
Hoje aconteceu o segundo encontro do curso sobre CAPS e interdisciplinaridade,420 inscrições. A terapeuta ocupacional Marta Evelin proferiu palestra sobre clínica ampliada no encontro passado. Apaixonante sua fala. Falava sobre a subjetividade do sujeito e o adoecimento psiquico, reabilitação psicossocial e o refazer dos contratos sociais.
Nas falas dos palestrantes de hoje, profissionais jovens, trabalhadores de CAPS, professores universitários, formadores de futuros profissionais foi para mim reveladoras do quanto o manicômio tem sido importado para os tão sonhados espaços de reabilitação, produção de autonomia e inserção na comunidade, que são os CAPS. Precisamos apostar no modelo, na rede de serviços, no fazer diferente. Os profissionais insistem que quem está lá no seu serviço é o diferente, o alien, o paciente que o "eu" doutor vai curar, controlar o sintoma. Não é uma pessoa de direito, com uma subjetividade sob condição psicótica. Igual ao hospício tem alta sem acompanhamento. Nenhum técnico tornou-se amigo o suficiente para dar um telefonema de aniversário ou banal qualquer. O "paciente" ainda não se tornou usuário, aquele que faz uso de um serviço, que é consumidor. Não é pessoa que vive com transtorno mental, ainda é o "portador".
Para uma imensa platéia na sua maioria composta de estudantes e profissionais recém chegados aos serviços, muito se poderia fazer em questão de mudança de cultura. Vamos ler Paulo Amarante, Franco Basaglia na fonte, Ana Pitta, Edmar Oliveira e tantos outros que não vemos em nossas formações tradicionais.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

FELICIDADE

Estou prometendo a mim mesma não ter mais "crises" de desistência. Vou "monitorar os sintomas". Recebemos hoje (13) na nossa roda de auto-cuidado nossa mais nova futura amiga cuidadora. Chegou assim na sua explêndida beleza ainda juvenil com dois olhos escuros e distímicos. Na busca do "armador para rede" havia dois psicólogos e uma experiente amiga cuidadora dispostos ao primeiro acolhimento. Nossa... que bom, não reclamarei mais que estou sozinha.
A roda foi muita boa. Agradecemos muito a Dona Savanir, nossa bondosa anfitriã que nos empresta uma sala de sua clínica-escola de terapias naturistas, Clínica Bio-nat na rua São Pedro. Estaremos lá todas as sextas-feiras pela manhã, com uma roda de apoio a bipolaridade e roda da vida, destinada ao apoio a pessoas que sobreviveram a tentativas de suicídio.
Que bom que não desisti. Estou feliz e criativa.

"Carlão é um obstinado, que revestia os momentos críticos com uma determinação contagiante." (Marcos P. Miranda, assistente técnico)
Um por todos todos por um - Lições da equipe de vôlei campeã olímpica
Editora Gente, 2002

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

TODOS POR UM

DETERMINAÇÃO

Em 1992 me recuperava do "grande surto", vivia a não vida pós haloperidol-clopormazina-fenergan e não lembro mais o quê. Saia de internações integrais nos spas da mente aqui de Teresina, Clínica ATENDE (não existe mais), Sanatório Meduna e Hospital Areolino de Abreu. Minha família contratou uma moça que me acompanhava (vigiava) e eu passava todo o dia vendo TV. Olimpíada de 1992 em Barcelona, não perdi um único jogo da super equipe de vôlei masculino. Nem os que passaram de madrugada. Naquele período era uma das poucas coisas que me despertava algum interesse.
Quis comprar aquele pôster da seleção com Marcelo Negrão e Giovanni, proeminentes entre os outros, meus preferidos. Eram heróis. Estavam vivos. Eu não estava.
Este ano só passando no SALIPI, como todos os anos nunca tenho um tempo maior. Eis que me deparo com um livro por um real. Um real. Todos por um/ Lições da equipe de vôlei campeã olímpica, o livro organizado por Pampa fala de cada um e suas potencialidades no grupo que contribuíram para a medalha de ouro e tem umas lendas budistas gostosas de ler.
Ontem eu pensava seriamente em desistir da luta, tenho filho, algum sonho acadêmico, a bipolaridade para 'gerenciar" e a luta é solitária. Uma labuta diária com pouca ou quase nenhuma ajuda. É difícil arranjar "armador para rede" como diz minha amiga Josélia, assistente social veterana na luta da saúde mental. Estou perdida nesses pensamentos de desalentos e quase decidida quando o telefone toca mais de nove horas da noite. Familiar desesperada: jovem medicada, fazendo psicoterapia e novamente com ideação suicida. Hoje outra familiar com o mesmo problema, menor com diagnóstico de esquizofrenia, mal atendido no CAPS i, em crise aguda e com ideação suicida. Que fazer? Correr atrás da rede. Não somos serviço, somos apoio e o suporte que podemos ofertar no momento é sermos rápidos, procurar e indicar a melhor alternativa para o cuidador, que nem sempre é a família, às vezes negociar com a família, quebrar a resistência desta em levar o usuário a um serviço psiquiátrico, de preferência e prioritariamente evitar uma internação integral. Penso mais uma vez nas nossas dificuldades nem mesmo um espaço temos para nossos encontros, para um trabalho de acolhimento, um endereço que sirva de referência para o usuário. Muitas vezes encontramos respeitados profissionais que nos oferecem colaboração, mas não há como recebê-los.
Volto atrás e procuro não deixar essas pessoas sem respostas, por mínima que seja a resolutividade desta resposta, mas não deixar de acudir a crise. O Ninho nasceu para isso.
Determinação é a competência que caracteriza Carlão, capitão do time de 1992. Por acaso ontem abri nessa página. "Para vencer, é preciso assumir o sacrifício"

Francisco Junior


Francisco Junior, professor da UFPI é amigo do ninho. A nota é apenas para parabenizá-lo pela qualidade dos eventos que promove, claro, junto a outras pessoas igualmente notáveis em Teresina, no caso do excelente encontro de Tanatologia, Carlos Henrique Aragão e Lúcia Rosa.
Na platéia alguns amigos do Ninho que já mais de uma vez tentaram apressar a travessia para outra vida. Como eu, com certeza depois do bom nível das discursões estão vendo a morte e a vida de forma "poliocular", ou seja com outras perspectivas.

domingo, 8 de novembro de 2009

"ATO MÉDICO" VIOLÊNCIA CONTRA A CIDADANIA

Texto de Austregésilo Carrano Bueno

Vivemos numa sociedade globalizada, e as informações nos chegam em avalanches todos os dias. Não é possível mais vivermos qualquer situação centralizada num saber único e total. Isso no mínimo é sermos jogados novamente em regimes ditatoriais que nos impedem e tentam manipular nossas vontades, anseios e razões de viver. Quando uma profissão, ciência, política, ideologia, querem suas verdades impondo como insofismáveis guela abaixo custe o que custar, menosprezando a verdade e a vontade da grande maioria, se tornam criminosos contra os cidadãos e a humanidade. Lembrando as políticas recentes na história do Nazismo, Comunismo Ditador, e da nossa Ditadura Militar, que nos impedia de exigirmos nossos direitos de livre escolha e pensamento. O "Ato Médico" que uma determinada classe de profissionais querem por que querem aprovar, me parece semelhante, ou por que não dizer igual, a essas políticas que causaram sofrimentos e atrocidades por gerações e mais gerações. Centralizar todo o conhecimento científico sobre toda a complexidade do ser humano, nas mãos de uns poucos profissionais é no mínimo uma atitude suicida de todo histórico do conhecimento humano. Os grande s mestres filósofos, gênios, e pensadores das atitudes do ser, devem estar se revirando em suas covas, por tanta hipocrisia, artimanha maldosa de uma certa classe de profissionais em busca de mais poder sobre o outro, que se estivessem vivos estariam na frente do Senado Brasileiro rasgando suas carnes de indignação. Sou militante ativo do Movimento da Luta Antimanicomial, e conheço como cobaia psiquiátrica que fui, o que é o poder médico dentro de uma instituição psiquiátrica, esses profissionais da psiquiatria são deuses senhores do nosso corpo e mente. Fazem conosco o que quiser e como quiser. Este poder que este projeto de lei pretende é o mesmo dos psiquiatras dentro dos chiqueiros psiquiátricos brasileiros. Senhores Senadores, até hoje não existe punição e nem indenização por mais de um século de torturas e criems paiquiátricos na história forence brasileira, esses profissionais médicos psiquiatras estão acima da Lei e da nossa Constituição. E por quê? Porque uma sociedade acomodada e omissa lhes deu esse poder supremo. Somos currados, torturados, aviltados, estigmatizados e mortos por eles, pois eles já são possuidores desse projeto que vocês estão propensos a aprovar... "Ato Médico Psiquiátrico" isto já é uma realidade dentro do sistema manicomial brasileiro. E agora querem sua expansão para toda a medicina. Mais poder de ação, e os efeitos dessas ações, quem serão os responsáveis? Serão so Senhores Senadores que provaram essa falcatrua, cheia de engodos para maior poder de contenção de toda uma sociedade cansada de ser ovelha dos que se dizem ser os donos únicos do Saber Humano. Fica aqui o meu repúdio a essa coisa, esse Bicho de Sete Cabeças chamado " Projeto de Lei do Ato Médico", e uma exigência, se os Senhores Senadores o aprovarem, com certeza serão também os responsáveis diretos pelas indenizações das vítimas dessa falcatrua. Quero meu direito de cidadão de ter e exigir a segurança de minha Saúde Mental e Física da maneira que minha razão me dita, e não a que querem me impor.
Saudações Antimanicomiais
Austregésilo Carrano Bueno
Escritor, ator, dramaturgo e ex cobaia da ditadura psiquiátrica.

(Infelizmente não há data, mas imagino que o texto é de 2004/2005 mais ou menos, lembrei dele perdido num amontoado de pastas que tenho com temáticas sobre saúde mental. Nada mais atual nesse momento de frenesi e inquietação sobre o "Ato Médico").

ARTE INSANA: Inscrições até 13 de novembro

Arte Insana é o concurso promovido pela Secretaria de Saúde do Estado/ Gerência de Saúde Mental lançado dia 09 de outubro no Festival Encontros e Loucuras na praça Pedro II. Evento que quem acompanha o blog, quase "enlouqueceu" o psiquiatra que dirige a Associação Psiquiatra Piauiense, ele não gosta desta história de chamar louco de louco. Imagina um concurso chamado Arte Insana.
O concurso abrange quatro categorias: artes plásticas (pintura, desenho, colagem), artesanato, escultura, literatura (autobiografias, poesias, relatos e contos).
A participação é destinada a usuários. Os prêmios são 500, 00 (quinhentos reais), 300,00 ( trezentos reais) e 200, 00 (duzentos reais).
Inscrições até o dia 13 de novembro na gerência de saúde mental
Informações: (86) 3216-3562

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

CONVERSANDO COM AS VOZES DE EDMAR

Terminei a leitura de Ouvindo Vozes, livro de Edmar Oliveira. Como já falei me emocionei várias vezes. Acredito que muitos que trabalham ou fazem militância antimanicomial identificaram histórias parecidas em suas vivências, histórias com finais menos ou mais felizes. Tristezas e alegrias colhidas durante plantões em serviços paiquiátricos ou grupos de apoio.
Eu cá bastante apreensiva sobre o destino do Sanatório Meduna. Se o SUS aumentou o preço para cada paciente, o que era uma das reclamações da sua direção. Alguém sabe o nome dos donos do Meduna? Eu não sei. Se ele permanece aberto, fiquei sonhando o que uma equipe como a de Edmar Oliveira poderia fazer para transformar aquele manicômio em serviços comunitários?
A porta de entrada é o serviço de urgência do Hospital Areolino deAbreu, lá não há mais o P.A (alguém lembra do velho pavilhão de alcólicos? Ficavam lá também o que se chamava drogadito ou era expressão parecida...), o número é cada vez maior de "dependentes químicos" ou "transtorno relacionado ao uso de substância" não ficam no HAA, a lei impede, são atendimentos para o CAPS - ad, temos apenas um. O jeitinho brasileiro "interna" todos esses casos que adentram aquela urgência no Sanatório Meduna, que não tem leitos reservados para dependentes químicos, lá todos são pacientes psicóticos. É para se acreditar nisso.
Não temos nenhum CAPS III, nem uma urgência psiquiátrica além do HAA, não há plantonistas psiquiatras em hospitais gerais. Por que não transformar aquele imenso prédio do Meduna em CAPS III e CAPS - ad masculino e outro CAPS - ad feminino? Sabe-se que muitas mulheres não procuram o CAPS -ad para não se exporem e lotam as enfermarias do Meduna.
Está previsto a abertura de dois CAPS II por pressão do Ministério Público, as casas já estão alugadas passando por reformas, uma na zona sul e outra na região sudeste.
Os psiquiatras que tentam atrapalhar com má vontade a implantação dos serviços da Reforma e brigam desumanamente, atendendo naqueles postos de enfermagem de paredes sujas e rachadas do Meduna e nem percebem (ele e toda uma equipe) que um paciente pode dormir dias sem uma lâmpada numa pequena enfermaria de duas camas. Esses fatos não incomodam, os loucos não tem direitos humanos, o que interessa é defender mais um salário. Não se envolvem, pecam pela omissão, não se queimam. Esses profissionais, infelizmente nesse momento muita gente jovem, serão os mesmos a concorrer em concursos públicos ou não para assumir o trabalho nesses CAPS. Dá medo!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

I SEMINÁRIO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TERREIRO DE TERESINA

Venho através deste convida-la, para participar do I Seminario Municipal de Juventude de Terreiro de Teresina dia 07 e 08 na Obra Kolping no Dirceu II , Horario da Abertura dia 07 as 9 da manhã , inscrições na Coordenadoria de Direitos Humanos.

Rondinele dos Santos
Fone: (86) 8802-3047

sábado, 31 de outubro de 2009

DROGAS

Vendo telejornais ontem fiquei impressionada pelo número de reportagens sobre apreensões, prisões, tratamentos de pessoas dependentes químicas. A impressão que tenho é apocalíptica. A droga está dominando todos os redutos institucionais, culturais e capitalistas? Minha percepção não tem cunho moralista, só gostaria de entender. Encontrei no blog do Rogélio Casado, textos interessantes sobre a questão.
http://rogeliocasado.blogspot.com

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

II CURSO SOBRE CAPS E A INTERDISCIPLINARIDADE":

Equipe Multiprofissional, Usuários e Familiares -Transformando relações, produzindo novos diálogos.

CARGA HORÁRIA: 40 H/A

PERÍODO / HORÁRIO:
• 07/11/2009 (Sábado) (14:00h)
• 14/11/2009 (Sábado) (14:00h)
• 28/11/2009 (Sábado) (14:00h)
• 05/12/2009 (Sábado) (08:00h)

INVESTIMENTO:

R$ 40,00 (Estudante)
R$ 50,00 (Profissional)


INSCRIÇÕES: 26/10 a 07/11/2009. Horário: 7:00h as 13:00h.
Local: CCS da UFPI (Av. Frei Serafim, ao lado do HGV)

LOCAL DO CURSO:

Auditório do Cine Teatro Assembléia Legislativa do Piauí

PÚBLICO ALVO: Acadêmicos e Profissionais das áreas de Educação Física, Serviço Social, Enfermagem, Psicologia, Medicina, Terapia Ocupacional, Técnico e Auxiliar em enfermagem.

CONTATOS:

FERNANDA: 8833-7076 / ARIEL: 9436-7739 / DOMINGOS: 9955-4465

EDMAR OLIVEIRA: OUVINDO VOZES

O lançamento do livro de Edmar Oliveira, Ouvindo Vozes aconteceu na quarta- feira passada dia 21 no Clube dos Diários, às 19:00 horas, esqueceram da meninada e "coroada" do Boca da Noite. Um infernal e maravilhoso hip-hop fazia a imensa platéia na pequena sala Torquato Neto, com muita gente em pé, encompridar o ouvido para ouvir Edmar, literato, informal, apaixonado por cultura piauiense falar de liberdade para a loucura. E lá fora a folia, o cheiro de maconha e a meninada e a coroada descambando pela praça Pedro II cheia de eventos naquela noite.
Comprei o livro pensando que seria mais um título sobre saúde mental para guardar na estante e ler quando precisasse para citar em bibliografias de trabalhos acadêmicos. Sabem o quanto sou desconfiada de psiquiatras, só confio em Basaglia e isso porque já morreu. Pasmem... comecei a ler o livro e não parei mais. Já me emocionei, chorei. O manicômio é realmente "um cemitério de vivos" e Edmar relata seu trabalho para dar vida a esses vivos/mortos no mais antigo manicômio do Brasil, dar feições comunitárias aos serviços. Serviço de Hércules. Estou babando.
Venha grande Edmar e vamos sangrar mais um dragão: O sanatório Meduna.
Confira registros no seu piauinauta.
http://piauinauta.blogspot.com

terça-feira, 27 de outubro de 2009

I ENCONTRO DE TANATOLOGIA DO PIAUÍ: "UMA VISÃO POLIOCULAR SOBRE A MORTE"

DIA 5/11 – 19 HORAS: CONFERÊNCIA DE ABERTURA: Tanatologia: Conceitos, história e situação atual
LOCAL: AUDITÓRIO NOÉ MENDES (CCHL/UFPI)
PROFESSOR: Carlos Henrique de Aragão Neto
(Especialista em Tanatologia)


DIA 6/11 – 9 HORAS: Mesa Redonda: “Uma visão Poliocular sobre a Morte”.
Prof. Dr. Luizir de Oliveira (DEFI-UFPI)
Prof. Dr. Robson Rogério Cruz (DCIES-UFPI)
Prof. Ms. Francisco de Assis Santos Rocha
COORDENAÇÃO: Prof. Dr. Francisco de Oliveira Barros Júnior (DCIES-UFPI)
LOCAL: AUDITÓRIO NOÉ MENDES (CCHL/UFPI)


15 HORAS: Mesa-Redonda: “Formação em Tanatologia”
Prof. Dr. Francisco de Oliveira Barros Júnior (DCIES-UFPI)
Profª. Dra. Lúcia Cristina dos Santos Rosa
Profª. Esp. Patrícia Carvalho Moreira
COORDENAÇÃO: Profª. Ms. Zita Alves Vilar
LOCAL: AUDITÓRIO NOÉ MENDES (CCHL/UFPI)


18 HORAS: Tela Sociológica Mostra: “Luzes Na Morte”
FILME: A Partida, de Yojiro Takita
LOCAL: AUDITÓRIO NOÉ MENDES (CCHL/UFPI)


DIA 7/11 – 9 HORAS: Mesa Redonda: “Subjetividade e Luto: Abraçando a vida”.
Profª. Ms. Zita Alves Vilar
Dep. Lilian Veloso Martins
Profª. Dra. Shara Jane Holanda Costa Adad (CCE-UFPI)
COORDENAÇÃO: Prof. Carlos Henrique de Aragão Neto
LOCAL: AUDITÓRIO NOÉ MENDES (CCHL/UFPI)


OFICINAS: Dia 5/11 – das 8 às 12 horas
SUICÍDIO E LUTO
MINISTRANTE: Prof. Carlos Henrique de Aragão Neto
N° MÁXIMO DE PARTICIPANTES: 25
LOCAL: Sala do CCHL (UFPI)
INSCRIÇÕES PARA AS OFICINAS: Departamento de Ciências Sociais (CCHL-UFPI)
CONTATOS: 3215-5780 / 3215-5781

REALIZAÇÃO:
- Projeto Cajuína Sociológica (DCIES-UFPI)
- Mestrado em Políticas Públicas (UFPI)
- Instituto Antrophos de Ensino e Pesquisa
- Fundação Amo Você

LUA + SHOW

ATRAÇÕES: OS OLIVÊRA , MACHADO JUNIOR , BATUQUE ELÉTRICO , CIA DE DANÇA EQUILIBRIO E RECITAL POÉTICO.


REALIZAÇÃO: RNP+ (REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS)

MNCP+ (MOVIMENTO NACIONAL DE CIDADÃS POSITIVAS)

NO ESPAÇO TRILHOS

EM 30 DE OUTUBRO DE 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

AMIGO NO NINHO CONTINUA NA LUTA

Caros amigos e amigas do Ninho,

Como é de conhecimento de todos não temos sede própria, usamos emprestado espaços alheios, isto dificulta nossos encontros e atividades de apoio. Estamos na luta por uma sede própria e registro formal do Ninho, um CNPJ nos ajudará muito. Este ano deixamos de participar de vários concursos, não conseguimos passagens para participarmos de eventos por falta dessa formalidade. Convidamos a todos os amigos a se envolverem nessa luta. Precisamos marcar uma reunião com um número significativo de pessoas para servir de assembléia e tirar uma possibilidade de constituíção de uma diretoria, esse é um dos primeiros passos para iniciar o processo de registros em cartório,etc. Concomitante precisamos retomar as atividades de apoio na comunidade que já nos cobra a manutenção das rodas de cuidado.

Dia 7 de novembro temos previsto uma roda contando com estudantes de enfermagem que trarão uma série de atividades da área. Pedimos para o pessoal da Psicologia que se possível poderia elaborar material sobre transtornos mentais podem ser folderes ou cartaz com informações que podem explicar aos usuários, etc.

O Ninho trabalha em rede, então a idéia das oficinas de sensibilização em saúde mental. Nossa idéia é fazer as oficinas para um grupo católico da comunidade que faz visitas a enfermos, os Vicentinos, Marta já agiliza os contatos. Bom a parceria, já que precisamos mas não temos pessoas suficientes para formar um grupo de visitas. Esta mesma sensibilização poderíamos está levando para os umbandistas que há muito tempo me cobram esta atividade, eles tem uma demanda significativa de usuários que os procuram em crise e não sabem o que fazer. A oficina estaria entre outras coisas orientando esses grupos como e para que serviços podem está encaminhando o usuário e família.

Precisamos de um local para realizar essa reunião. Quem tiver sugestões dum local acessível a maioria responda na opção "responder a todos" acrescentando datas e horários . Defendo a tarde de sábado ou domingo pela manhã.

Abraços com esperança nessa construção coletiva.
Edileuza

E-MAIL COLETVO PARA AMIGOS DO NINHO. ACRESCENTE O SEU E TORNE-SE MAIS UM AMIGO CUIDADOR.
26/10/009

DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA A AIDS

Querida Edileuza,antes de sugerir datas e local, estamos organizados para uma reunião na Coordenação Municipal DST/AIDS, no Centro de Referência Homossexual, na quinta feira dia 29/10/09 às nove horas da manhã, estamos avisando a todos os integrantes do Forum Ong/Aids, vamos todos com nossas idéias para desenhar o entorno do DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA A AIDS, contamos com sua colaboração.
bjs posithivos,
Socorro Freitas ( RNP+)

E-mail em 26/10/009

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

CAPS III DÊ-LÍRIOS

O Centro de Atenção Psicossocial é um dispositivo de assistência em Saúde Mental, substitutivo a internação psiquiátrica. Funciona 24h diariamente. Dispõe de 05 leitos para hospitalidade noturna e de final de semana.
Referencia para a região norte do municipio.
Regionais de Saúde: Aventureiro/Saguaçu, Comasa, Costa e Silva, Pirabeiraba e Vila Nova!!
Trabalha com equipes de Referências: Girassol. Orquídea e Azaléia.
Conta com equipe técnica composta por:
04 agente de saúde pública
02 auxiliar administrativo
01 assistente social
04 enfermeiras
10 técnicos de enfermagem
03 psicólogas
03 terapeutas ocupacionais
01 farmaceutica
01 psiquiatra
01 coordenadora
motorista, vigilante e zeladoras

Visitante do meu orkut, esse é o perfil desse CAPS com nome tão gostoso, diz-se de Joinvile/Santa Catarina. Na minha páginas aparecem muito delirantes. Quem tiver maiores informações, deixa comentários. Gostei da irreverência.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

PROFISSÃO REPORTER: LOUCURA

Quem perdeu ontem (terça-feira) o Profissão Reporter sobre a loucura, pode ver no blog Marcha dos Usuários, em sua última postagem de 21 de outubro.
http://marchadosusuarios.blogspot.com/

sábado, 17 de outubro de 2009

AMIGOS DO NINHO: SAUDÁVEIS E PRODUTIVOS

Muitas pessoas que vivem com transtornos mentais conseguem desenvolver estratégias de convivência "funcional" dentro das restrições que suas patologias psicoemocionais lhes impõe. Algumas são exemplos maravilhosos de superação, força interior, beleza e capacidade de resiliência. Amigas do Ninho: donas de casa, religiosas, mães, estudantes, profissionais de saúde nos dão força pelos exemplos que é possível apostar no lado saudável que temos e compensar nossas "descompensações".
O pequeno texto é um agradecimento para aquelas companheiras que suaves ou angustiadas aguardam nossas terapias, nosso abraço, nossa visita e por elas e suas necessidades não desistiremos. Um agradecimento e a apresentação de uma amiga muito especial, a formanda em jornalismo, piauiense de União, Natália Borges que convido a escrever o Ninho conosco. Natália é uma bela moça, com poucos cabelos por conta da tricotilomania. Um obrigada a seu belo sorriso e gentileza.

Um de seus espaços: Meu Ambiente
http://natacudy.blogspot.com

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

ATAQUE MANICOMIAL COVARDE

Em artigo intitulado "Doente mental merece respeito", publicado hoje no jornal Diário do Povo, o presidente da Associação Psiquiátrica do Piauí, Alexandre Barbosa Nogueira ataca de forma covarde, sem nenhuma postura ética, a gerente de Saúde Mental da Secretaria de Saúde do Piauí, psicóloga Gisele Nascimento, afirmando que esta ao celebrar o dia Mundial da Saúde Mental, evento ocorrido dia 9 último, estaria fazendo festa, em completo descaso ao fato do possível fechamento do Sanatório Meduna. Cita uma reportagem de um portal, nem mesmo esteve lá, nem ele, nem psiquiatra nenhum, que nunca se misturam a outros profissionais e usuários. O que a Associação Psiquiátrica do Piauí e seus psiquiatras fizeram pela passagem do dia 10 de outubro, dia Mundial da Saúde Mental? Alguém sabe?
Se Alexandre Nogueira que em entrevistas e livros onde seu trabalho na psiquiatria piauiense é citado, é sempre reverenciado por ter em 1980 criado a Associação Comunitária de Saúde Mental do Piauí, ter feito àquela época um trabalho de vanguarda, segundo relatos orais de trabalhadores e usuários, o hospital dia chegava a mobilizar grande contigentes de pessoas da comunidade em suas assembléias. Hoje a responsável profissional no exercício de suas funções independente do nome que se dê ao cargo: gerente, coordenadora, presidente, é uma mulher, não médica psiquiatra e competente realizava mais um evento destinado a profissionais que atuam nos diversos serviços de saúde mental de vários municípios do Estado. Ao atacar traiçoeramente quem está trabalhando nesse momento na vanguarda da saúde mental piauiense, joga fora o respeito que um dia angariou. O respeitado psiquiatra empresta seu nome para tão lamentável ação. Ele que já fez jornadas a favor da implantação de leitos em hospitais gerais e continua citando o intento em seu artigo deveria somar seu prestígio a luta para que os leitos do Sanatório Meduna fossem direcionados para tal, por que quem vai saldar as dívidas do Meduna? O dinheiro público? O gasto com sua manutenção é suficiente para financiar três CAPS III no município. Quando for fechado seus recursos serão gerenciados pelo município de Teresina. O manicômio Meduna se não fechar, o prédio cai literalmente encima de pacientes e funcionários de tão velho e descuidado que está, inaugurado em 1954 foi reformado pela última vez em 1979.
Em vários de seus escritos Alexandre Nogueira fala sobre a conotação pejorativa da palavra louco. Outro anacronismo de sua parte, hoje nós, pessoas que vivemos com transtorno mental (também não "portamos") não queremos sermos chamados de doentes mentais ou pacientes e sim de usuários. Usuário, pessoa que faz uso de um serviço, no caso do serviço psiquiátrico. A idéia de carteirinha de louco quem promoveu foram os próprios usuários que estiveram presentes, funcionais, ativos, vendendo seus produtos, mostrando sua saúde. Que a loucura só é doença grave a ponto de se prender alguém dentro do Meduna ou Areolino de Abreu para psiquiatra manicomial, que não acredita em reabilitação, que não investe nas potencialidades de saúde das pessoas, só vê o"louco pejorativo", aquele que a partir de um diagnóstico não tem mais funcionalidade e subjetividade. O psiquiatra é o profissional que menos tempo passa num pavilhão talvez por isso não permeça tais possibilidades.

PSIQUIATRIA SEM HOSPÍCIO

POR UMA CLÍNICA DA REFORMA PSIQUIÁTRICA: COM SUBJETIVIDADE, MEDICAÇÃO COM MENOS EFEITOS COLATERAIS E MAIOR PODER DE RESOLUTIVIDADE ASSOCIADA A PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES.