sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta -TAC

O título pomposo do post é um intrumento do Ministério Público em suas ações de defesa do direito a saúde da sociedade, no debate público de hoje com gestores municipais e estaduais sobre a saúde mental, culminou na elaboração de um documento destes onde SESAPI e FMS acordam ações conjuntas ou individuais quanto as ações na saúde mental no município de Teresina, ante o fechamento do MEDUNA, anunciado pelo seu diretor administrativo e financeiro em 23 de maio proximo,para que não haja desassistência e na área.
Esse foi um segundo TAC firmado, o primeiro datado do 21 de novembro de 2009, considerações feitas após visita do MP e fiscais da vigilância sanitária ao sanatório que constataram entre outras coisas as precárias condições de instalações físicas, sanitárias e escassez de pessoal, ausência de projetos terapêuticos individualizados, insuficiência de alimentos, medicamentos, pacientes higienicamente maltratados.
Durante dois meses a SESAPI forneceria 150 colchões, 600 lençois, 600 camisas e seicentas bermudas padrão (aquelas horrorosas iguais ao Areolino, gente!) e a FMS a alimentação, materiais médico hospitlar de consumo e material de limpeza e se comprometeu em abrir os dois CAPS II até 31 de dezembro, para salvaguardar a demanda, não abriu, só as casas estão alugadas.
Hoje, presenciei um fato inédito, nunca havia visto tanto psiquiatra junto, faziam um "muro manicomial" sob a batuta de Dr. Alexandre Nogueira. Infelizmente a bancada da "queda do muro de Berlim" era menor, representada pelos antimanicomiais, alguns técnicos e número inexpressivo de usuários. Tantos psicóticos com curso superior, atuantes em suas áreas, sindicalistas com grande poder de oratória e conhecimentos dos processos que levam o adoecimento do trabalhador e de como a sanha capitalista rege as relações em todos os níveis dos direitos humanos. Hoje aqueles médicos que defendiam as internações integrais e o secretário de saúde do municipio não pensavam em pessoas ou as pessoas significavam apenas
recursos ganhos ou perdidos. Gostaria muito que tanta gente boa desta cidade que está nos movimentos sociais e sindicais como os socialistas Geraldo Carvalho, Délio, Patricia Andrade, o comunista Pedro Laurentino, o advogado sindical Pacheco e tantos outros que vivem,convivem ou conviveram com parentes,amigos, vizinhos ou companheiros de trabalho com transtorno mental tivessem somado conosco em solidariedade humana mesmo e nos tivessem ajudado a tirar uma lasca daquele muro representados por aqueles psiquiatras que continuam querendo nos prender somente para garantir seus empregos.
Não fiquei até o final, já passava das duas. Dr. Edmar, matador de dragões e a bela que é fera Dra Cláudia Seabra ficaram lá enfrentando os leões.

2 comentários:

marina disse...

Minha caríssima Edileuza, embora outros tantos lutadores não estivessem entre nós naquele momento da celebração do TAC ,vc bravamente deu conta ,sua participação tem sido de uma coragem e desprendimento admiráveis,claro que reconheço a importância da participação de outros ,mas enquanto isso não acontece,pois para esses nossos nobres lutadores isto não é prioridade ,vamos nós, tocando este barco por estas aguas profundas muitas vezes turbulentas e escuras,oxalá nos dê força e loucura suficientes para entender e combater com toda lucidez os meandros a que todos esses conservadores , políticos ou técnicos que se auto proclamam donos da verdade querem nos submeter .
Osmarina Moura

LOUCA PELA VIDA disse...

Osmarina amiga,
Você é que foi brava! Apenas aproveitei suas deixas... mas continuo a acreditar que precisamos "provocar" o "ativismo social em saúde mental" dentro dos movimentos sociais. São importantes atores sociais que podem e muito colaborar no controle social para efetivação das politicas de saúde mental reformistas que tantos "poderosos" tentam impedir que se efetivem.
Abraço agradecido, até o próximo embate. "Que a força esteja conosco", rsrs

PSIQUIATRIA SEM HOSPÍCIO

POR UMA CLÍNICA DA REFORMA PSIQUIÁTRICA: COM SUBJETIVIDADE, MEDICAÇÃO COM MENOS EFEITOS COLATERAIS E MAIOR PODER DE RESOLUTIVIDADE ASSOCIADA A PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES.